Livro da vez!/ Quando eu te Abraçar-Lucy Vargas.

Capítulo 1


Desde que eu te abracei pela primeira vez, minha vida virou de ponta cabeça.
                                                                 
Essa seria a última vez, ao menos assim Sean havia decidido, como se ele tivesse algum tipo de controle sobre os desmandos do destino. Porém, ele estava nesse trabalho há anos e eles já haviam errado demais. E nunca haviam deixado alguém escapar tantas vezes por entre os seus dedos.
— Aquele filho de uma... — disse Kevin, levantando e saindo para tomar um ar.
Ao se aproximar da caixa que eles haviam acabado de tirar do chão, antes mesmo de olhar, Sean foi tomado por uma sensação de mal estar. Ele respirou fundo e olhou para dentro da caixa, para o corpo de mais um bebê, esse devia ser o oitavo. E isso, desde que eles começaram a caçar. Ele não conseguia sequer fazer uma estimativa real do que havia visto antes. Eles tentaram, mas em alguns momentos acabavam descobrindo que apesar da aparência, eram mais durões por fora do que por dentro.
— Eu já guardei o outro — disse Ramond, entrando no cômodo escuro na parte de baixo da casa.
Ele ainda era o novato, mas estava se saindo muito melhor do que o esperado, especialmente porque suas primeiras missões reais começaram exatamente nesse caso. E por “guardei o outro”, Ramond estava sendo sutil ao falar do corpo do bebê. Ao menos o outro que
eles encontraram ainda lá em cima, enrolado numa manta. Eles não sabiam como ele havia morrido, só sabiam que se houvessem conseguido chegar ali um pouco antes, talvez ainda pudessem tê-lo salvado. E essa era justamente a cilada desse trabalho, eles não podiam se deixar abater por esses acontecimentos. As possibilidades os comeriam vivos de dentro para fora.
Sean se ajoelhou e engoliu a saliva, ele poderia ter pego a caixa e levado, mas por uma questão de respeito e compaixão, ele segurou o pequeno corpo do bebê e o tirou de dentro daquela maldita caixa. Ele tentou não olhar, mas foi impossível. Era uma menina, pelo tamanho e pelos casos de bebês desaparecidos, essa devia ser a menina de seis meses que sumiu em Ontário, no Canadá. Ela não morreu pacificamente, seu rosto não era como o de uma bonequinha que estava dormindo. Ela sentiu dor, aquele corpinho pequeno nos seus braços sofreu.
Ele escutou os sons dos passos, Ramond se aproximou com a manta e o saco mortuário onde iam deitar o corpo para levá-lo. E Sean só conseguia olhar para o sangue sujando as pernas do bebê.
Aquela imagem não deixaria sua mente, ao menos não em algum momento próximo.

* * *

Bea 22:30 - {Envia um vídeo} Olha isso, Sean! Fica olhando!

O coração dele se aqueceu ao assistir e Sean viu o vídeo duas vezes antes de responder. Bea havia deitado de lado e dava para ver toda a sua barriga e a parte de baixo dos seus seios, onde sua camisola estava dobrada. E ela filmava só aquela área, dava para ver o bebê se mexendo, empurrando contra a barriga dela, devia ser seus pés, suas mãos, mas ela estava agitada. E faltava pouco para nascer, era como se avisasse: Ei, estou quase chegando! Olha para mim!
Como se a vida deles já não estivesse girando em torno daquele bebê. Bea estava com uma barriga de quase nove meses. E fazia tempo que Sean não se afastava dela, ele estava nervoso e apreensivo. Dividido entre o que precisava fazer e o que necessitava. Ele queria voltar para lá e pôr a mão na barriga dela para sentir quando o bebê estava agitado assim, ele adorava senti-lo.

Sean 22:39 - Ela não quer dormir?
Bea 22:40 - Não! Que danada! Olha isso, acho que ela quer brincar de bater palma! Ou isso é um pé?
Bea 22:42 - {Envia vídeo}

Ele assistiu ao vídeo que era mais curto que o outro, mas mostrava mais de perto os empurrões contra a barriga de Bea. Sean ficou sentado contra a cabeceira da cama, repassando o vídeo e Beatrice não sabia como havia o ajudado essa noite ao lhe enviar isso.

Sean 22:46 - Eu acho que é um pé.
Bea 22:46 - Danada! Não para de me chutar! Acho que vou lá para a banheira para ver se ela dorme. Ela gosta.
Sean 22:47 - Além dos chutes, tudo bem?
Bea 22:48 - Cadê você para me escorar? Ela sabe que estou sentindo sua falta.
Sean 22:49 - Eu já volto, Bea. Eu juro. Eu preciso de mais um dia.

Se você leu este pequeno pedaço que disponibilizei espero que tenha gostado, o livro é bom, mais essa é minha opinião, bom no próximo quadro trarei um livro que creio que muitos querem ler.

Compartilhe:

0 comentários