Culpas & Desculpas

Acordar de manhã com seu "bom dia" no meu celular faz do meu dia especial. Não que meu dia precise do seu "bom dia" para se tornar especial, mas é que essa rotineira mensagem me faz entrar no meu mantra de calmaria que eu mesma criei. Seu "bom dia" me funciona como um ótimo lembrete de que eu acordei. E acordar é algo muito especial.

Quando mais nova eu costumava fazer arte e torcer para que minha mãe não as descobrisse, porque, caso ela descobrisse, eu ia ter que "conversar" com o cinto dela. Nunca gostei de "dialogar" com o cinto dela, mas o fazia de vez em quando. No período entre Aprontar Algo / Mãe Descobrir eu sempre ficava muito tensa e desconfiada de tudo. Acredito que o peso da minha consciência não deixava eu arrastar algumas pequenas mentiras que eu carregava para não ser descoberta. Por isso, já ia logo me entregando quando ela, mesmo sem saber de nada ainda, olhava pra mim.

- Tá, mãe, eu achei a tesoura na estante e peguei ela pra cortar a toalha da mesa. Cortei. Desculpa.
(imagine aqui uma cara de arrependimento)

Quando a culpa não é sua, existem duas possibilidades. Primeira, ou você assume a autoria da arte, Ou, você diz quem foi o autor. Nas duas você se dá mal. De qualquer jeito. Não interessa quem foi que fez a bagunça, quem deixou de guardar a louça, quem não deu comida pro cachorro... De qualquer jeito, você se dá mal. Porque, querendo ou não, você sabia o que estava acontecendo e não impediu. Ou tentou e não obteve êxito, mas mesmo assim você sabia. E isso, principalmente, para as mães, já basta.

- É tudo eu nessa casa!

E aí a gente vai crescendo. As artes vão mudando. A responsabilidade e a maturidade aumentam e a gente começa se achar o dono do próprio nariz. Achamos que temos "o rei na barriga"... Aí, dessa vez, na ausência de uma mãe, a vida quem vem ensinar. E a Vida, é uma professora chata, com métodos ultrapassados de ensino, que se utiliza de uma régua dura para bater na sua mão quando te vê errar.

Assim, quem tem bom senso, começa se policiar, começa a entender que é necessário "andar na linha", fazer as coisas certas... Porque, caso contrário, a profe Vida vem com a régua e acerta na nossa mão. E dói. Dói bastante.

E aí a gente vai crescendo. As artes vão mudando. A responsabilidade e a maturidade às vezes não aumentam e a gente, mesmo assim, começa se achar dono do próprio nariz. Quando a culpa não é sua existe, agora, apenas uma possibilidade: Provar. Provar que a culpa não é sua. Que todos possuem o livre arbítrio e que não é "Tudo eu nessa casa". Ou seja, É chegada a hora do discernimento. é chegada a hora de entender que você não engana a mais ninguém além de si mesmo.

No meu mantra de calmaria matinal, estão inclusos: duas xícaras de café, uma boa estralada nas costas, admirar minha xícara, admirar minha garrafa, provar mais uma vez o sabor do líquido que está na xícara, estralar os dedos dos pés, levantar-me lentamente até a geladeira e ver o que tem pra comer. Então, assim, desistir de comer, voltar para a cadeira e - sem querer - me ver fixada em algum objeto que eu acabo de descobrir que é curioso. Por isso meu sorriso à toa às vezes.

- Como eu nunca tinha reparado nisso antes? (risinhos legaizinhos bonitinhos para o objeto) :)

Eu gosto demais do seu "bom dia" no meu celular, faz do meu dia especial. Não que meu dia precise do seu "bom dia" para se tornar especial, mas é que essa rotineira mensagem me faz entrar no meu mantra de calmaria que eu mesma criei. Seu "bom dia" me funciona como um ótimo lembrete de que eu acordei. E acordar é algo muito especial.

Mas e quando a culpa É SUA?

Admita. Corra atrás do prejuízo. Confesse pra Vida ou pra sua mãe que você cortou a toalha da mesa. É o primeiro passo para parar de apanhar da régua dura, ou do cinto. Reconheça que talvez realmente seja "tudo você nessa casa" e bota ordem na situação. A mesma pessoa que foi capaz de tirar a tesoura do lugar para fazer a arte, é a mesma que pode voltá-la no lugar depois. Ah, e não se esqueça... Caso a toalha tenha sido recortada, conserte-a..Porque daí a profe Vida te dará muito mais toalhas.

Eu gosto demais do seu "bom dia" no meu celular quando eu acordo, mas talvez esteja na hora de você ver que é você quem está realmente precisando acordar. Acordar pra vida.

Compartilhe:

0 comentários