Adeus Ano Velho ..



  Era uma vez uma boa ideia. Até que ela se foi, janela afora, e demorou voltar. Pensei que talvez eu estivesse ficando louca - ou possivelmente sendo inútil - mas, no final, era só a fome mesmo que estava me causando um bloqueio criativo... Talvez por conta dos quatro kg que eliminei essa semana (oi?!), pois é. Sem mais delongas, apresento a vocês o último dia do ano.


  Só que não vai ter retrospectiva nesse post não. Isso fica por responsabilidade dos nossos patrocinadores. Que não temos. ENFIM.

O que fazer no último dia do ano?

  Sempre fico muito nostálgica nessa época de natal e ano novo.

  Resolvi fuçar nos álbuns de fotos da estante da vó Ica, como de costume, e relembrar diversos momentos que por vezes ficam ofuscados na memória. Descobri que, durante minha infância, apesar da minha preguiça durante as tardes, eu sempre aproveitei ao máximo todas as brincadeiras na rua de trás da casa da vó e que eu acabava me conformando em ser "café com leite" porque, no final das contas, era o máximo estar ali com as outras crianças.


 Mas estamos crescendo... E rápido. O que não significa que devemos envelhecer.  ;1
  
 Um fato: Nunca consigo realizar todas as minhas metas de final de ano. Detalhe: porque na verdade elas nunca existem. Sempre vivi um verão de cada vez e isso sempre deu certo. Sempre me rendeu muita coisa pra contar e imortalizar na memória. Acredito que quando eu estiver velhinha, rodeada de netos, eles não se interessarão pelas dificuldades que enfrentei e o quão desgastante cada uma foi, mas sim das inúmeras risadas que cada momento me rendeu e o que aprendi com cada uma delas. Talvez seja por isso que eu ame fotos, sorrisos, tombos e acasos.

O QUE ACHAR DE 2016? Já considero tanto ♥

 Que ele venha calminho, que 2016 venha devagar... Que feche a porta ao entrar.

 Quanto aos corações, ainda caberão três vidas inteiras e uma penteadeira e centenas de orações.

  Aos corações, se importem menos com as falhas, com as tralhas e gentalhas.

  Aos corações, que tenham um amor bem guardado. Longe de tudo quanto é drama. Longe de tudo que inflama. Perto apenas dos próprios dramas. Perto de quem os ama.

  De repente, programar as coisas sejam importantes. Realizá-las, muito mais. Todavia, que neste ano saibamos valorizar os imprevistos e as miudezas de cada uma delas.

   Saibamos enfrentar com sabedoria as primaveras, verões, outonos e demais invernos que estão por vir.

   Espero que todos descubram algo novo de que goste, algo para aliviar a existência. Que cada um descubra e alimente sua essência.

  Muitos cookies em sua vida, sorvete e lasanha também! Beijo de brigadeiro, Amém!
Já acabou, 2015?

Compartilhe:

1 comentários

  1. Que texto lindo!
    Que 2016 seja realmente muito iluminado, vamos precisar!
    Beijão, Ana do dia ♥

    ResponderExcluir